Rastreamento
Rastreie o seu pedido:
0
03/02/2023

Aparição da Virgem em Lourdes

 

 

 Em Lourdes, na França, em 1844, nasceu uma menina chamada Bernadette Soubirous. A família de Bernadette era muito pobre e Bernadette era responsável por cuidar de seus irmãos e irmãs.

 

Bernadette era uma boa menina de olhos negros e rosto redondo. A única educação que Bernadette recebeu foram os ensinamentos católicos, que ela estudava fielmente à noite.

 

Aos 13 anos, Bernadette se preparava para sua Primeira Comunhão. Uma das tarefas de Bernadette era juntar lenha para o fogo. Em um dia frio de fevereiro de 1858, Bernadette e dois companheiros dirigiram-se ao rio Gave para coletar pedaços de madeira. Os dois atendentes correram na frente e deixaram Bernadette lutando para acompanhá-la. Quando Bernadette tirou os sapatos para atravessar o rio, ela se assustou com um vento estranho e um farfalhar.

 

Bernadette olhou para a gruta e as cavernas à beira do rio. Perto da abertura da gruta, Bernadette espiou e percebeu que a caverna de repente se encheu de luz dourada. Olhando para cima, ele viu uma senhora de grande beleza, vestida com um manto branco puro, com um manto azul, um véu sobre a cabeça, um rosário preso nas mãos e rosas amarelas aos pés. Bernadette esfregou os olhos. Que moça linda! Mas de onde ela veio? E o que ela está fazendo aqui?

 

 

A bela senhora sorriu para Bernadette e pediu-lhe que rezasse o terço. Bernadette fez suas orações e quando terminou olhou para cima e a senhora tinha ido embora. Bernadette alcançou seus dois amigos e descobriu que eles estavam com raiva dela. Bernadette contou-lhes sobre a visão que acabara de testemunhar. As meninas disseram a Bernadette que ela era estúpida e provavelmente só estava vendo coisas.


 

Bernadette sentiu-se atraída pela gruta e lá voltou no domingo seguinte. Bernadette viu a bela dama novamente. Na terceira vez que Bernadette foi à gruta, a senhora falou com ela. A bela dama pediu a Bernadette que viesse aqui todos os dias durante quinze dias. Ela disse que queria que Bernadette dissesse aos padres para construir uma capela lá. Ela disse a ele para beber água do riacho. A senhora também disse a Bernadette para rezar pela conversão dos pecadores. Bernadete atendeu aos pedidos.

 

 

 

Em 25 de março, Nossa Senhora finalmente disse a Bernadette que ela era Maria, a mãe de Jesus, e que seu propósito ao aparecer para Bernadette era alertá-la para orar e fazer sacrifícios pelos pecadores. Os milagres de corpo e alma realizados em Lourdes são a prova de que esta mensagem foi um verdadeiro aviso da rainha do céu para seus filhos e que ela estava profundamente interessada em seu bem-estar.


 

  As visitas diárias de Bernadette à gruta causaram grande rebuliço no campo. Multidões de pessoas começaram a se reunir e observar Bernadette enquanto ela examinava a caverna e obedientemente fazia as coisas que a Virgem Maria lhe pedia. Eles observaram enquanto Bernadette raspava a terra perto da gruta até que uma fonte de água começou a pingar. 

 

 

 

    Esta é a água benta de Lourdes que dizem curar tudo! A princípio, padres, moradores da cidade e famílias duvidaram das visões de Bernadette e do propósito de suas atividades. Mas Bernadette era teimosa e determinada a seguir os planos de Mary para ela. Eventualmente, todos acreditaram que Bernadette e a gruta de Lourdes se tornaram um local de culto e a água benta de Lourdes era sagrada para realizar milagres.


 

    Aos 22 anos, Bernadette tornou-se freira e dedicou sua vida a Maria, à oração pela conversão dos pecadores e ao serviço de Deus. Bernadette morreu em 16 de abril de 1879, aos 36 anos.

 

Ela será lembrada porque acreditou na glória maior de Deus, porque foi fiel à sua missão, foi humilde em sua glória e corajosa em seus sofrimentos. Hoje, Lourdes continua sendo um dos santuários cristãos mais visitados do mundo. Mais de 3 milhões de visitantes, peregrinos e turistas vêm todos os anos à Gruta de Massabielle, onde a Virgem Maria apareceu a Bernadette 18 vezes em 1858.

 

 

 

Aparições da Virgem Maria

 

 

Primeira Aparição - Quinta-feira, 11 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    Depois do jantar na quinta-feira antes da quarta-feira de cinzas, a mãe de Bernadette disse aos filhos que não havia mais lenha em casa. Bernadette e sua irmã, Toinette, e uma amiga vizinha, Jeanne Abadie, foram ao rio Gave coletar madeira. Eles tiveram que atravessar um canal de água fria. Temendo um ataque de asma, Bernadette ficou na margem e as outras duas meninas atravessaram o riacho e foram buscar lenha debaixo da gruta até desaparecerem no rio Gave.

 

 

 

    Bernadette ouviu um grande barulho como o som de uma tempestade, mas nada se moveu. Ele ficou assustado e se endireitou, perdendo todo o poder de fala e pensamento. Ela virou a cabeça para a Gruta de Massabieille e viu na abertura da rocha uma única roseira, movendo-se como se fosse movida pelo vento. Quase ao mesmo tempo, uma nuvem dourada saiu de dentro da gruta, e logo depois uma Senhora, jovem e bela - extremamente bela - que ele nunca tinha visto, veio e sentou-se na entrada da abertura acima das roseiras.

 

  Ele olhou para Bernadette e imediatamente sorriu para ela e acenou para ela se aproximar, do jeito que uma mãe acena para seu filho se aproximar. Bernadette pegou seu rosário e se ajoelhou diante de Nossa Senhora, que também tinha um rosário no braço direito. Quando Bernadette tentou começar a rezar fazendo o sinal da cruz, seu braço ficou paralisado. Somente depois que Nossa Senhora fez o sinal da cruz, Bernadette pôde fazer o mesmo. Enquanto Bernadette rezava, Nossa Senhora passava as contas do rosário entre os dedos, mas permanecia em silêncio. No entanto, ela recitou orações com ela. Quando acabou, a Senhora voltou para dentro da rocha e a nuvem dourada desapareceu com ela.

 

 

 

    Bernadette contou à irmã as coisas extraordinárias que lhe aconteceram na gruta, pedindo-lhe que guardasse segredo. Durante todo o dia, a imagem da Senhora permaneceu em sua mente. À noite, na oração familiar, Bernadette ficou perturbada e começou a chorar. Quando sua mãe perguntou o que havia acontecido, sua irmã contou tudo. A mãe de Bernadette disse a ela que eram ilusões e a proibiu de voltar a Massabieille.

 

Bernadette não conseguiu dormir naquela noite. O rosto da Senhora, tão bom e tão misericordioso, voltava incessantemente à sua memória. Era inútil para ela lembrar o que sua mãe havia dito, porque ela não achava que seu olhar a havia enganado. Sua convicção sobre isso era inabalável. Ela passou a descrever a Bela Dama em detalhes:

 

 

 

    “Ela tem a aparência de uma garota de dezesseis ou dezessete anos. Ela está vestida com uma túnica branca, cingida na cintura com uma fita azul que flui ao redor. Um jugo envolve-o em dobras graciosas na base do pescoço. . As mangas são longas e justas. Ela usava um véu na cabeça que também era branco. Este véu cobre quase todo o cabelo e cai abaixo da cintura. Suas pernas estão nuas, mas cobertas pelas últimas dobras de seu manto, exceto onde uma rosa amarela brilha sobre cada uma delas. Ela segura no braço direito um rosário de contas brancas com uma corrente de ouro brilhando como as duas rosas em seus pés." No domingo, a mãe de Bernadette permitiu que ela voltasse à gruta.

 

 

 

Segunda Aparição - Domingo, 14 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    As três meninas partiram, armadas com uma garrafa de água benta. Se o que os mais velhos disseram for verdade, eles podem precisar disso para evitar más influências. Em vez de jogar água em Nossa Senhora, Bernadette derramou a água no chão silenciosamente. Então ela se virou e disse à amiga que, a julgar pelo sorriso da Bela Dama, ela ficou encantada com essa ação. Antes que Jeanne Abadie, que acabara de chegar, explicasse que jogou uma pedra na caverna para se divertir, os outros se espalharam em todas as direções, gritando por socorro enquanto corriam.

 

 

 

    Quando Toinette chegou em casa e contou sua história, sua mãe ouviu e se dirigiu ao local. A essa altura, toda a cidade estava falando. Felizmente para a pequena Bernadette, uma mulher local de considerável importância interpretou as aparições de uma forma diferente da maioria das pessoas da cidade. Ela conseguiu a permissão de Louise para deixar sua filha Bernadette acompanhá-la e uma amiga à gruta.

 

 

 

Terceira Aparição - Quinta-feira, 18 de fevereiro de 1858:

 

 

 

     Todos os três foram primeiro à missa matinal. Depois partiram para a gruta. Madame Millet carregava uma vela abençoada; Antoinette Peyret uma caneta, papel e tinta para registrar qualquer coisa que possa ser dita. A bela Senhora disse a Bernadette: "Não há necessidade de escrever o que tenho a dizer. Você poderia ter a gentileza de vir aqui todos os dias durante quinze dias?" Nenhum motivo explícito foi dado para esse pedido, mas foi acompanhado de um compromisso definitivo: embora ela não prometesse que Bernadette seria feliz no mundo, a Bela Dama deu sua palavra de que a felicidade a esperaria no céu.

 

 

 

Quarta Aparição - Sexta-feira, 19 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    Os pais de Bernadette e sua tia a acompanharam até a Gruta junto com alguns vizinhos. Pouco depois de Bernadette começar a rezar, todos os presentes notaram que seu rosto estava transfigurado e iluminado.

 

 

 

Quinta Aparição - Sábado, 20 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    Em sua quinta visita, a Virgem Maria ensinou a Bernadette uma oração, que ela recitou diariamente pelo resto de sua vida. Ela nunca revelou a oração a ninguém, mas disse que foi instruída a trazer sempre uma vela abençoada com ela. As velas agora queimam perpetuamente no Altar.

 

 

 

Sexta Aparição - Domingo, 21 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    A Virgem Maria disse a Bernadette nesta ocasião para "rezar pelos pecadores", o que ela nunca deixou de fazer. Várias centenas de pessoas estavam presentes naquele dia, incluindo o Dr. Dozous, um proeminente médico de Lourdes. Ele disse à multidão que não encontrou nada de anormal na condição física de Bernadette, mesmo quando seu estado mental era semelhante ao transe: "Seu pulso era regular, sua respiração fácil e nada indicava excitação nervosa."

 

 

 

    Uma reunião foi convocada pelos cidadãos da cidade e fortes diferenças de opinião foram expressas sobre as aparições. Eles expressaram preocupação com os perigos que poderiam acompanhar as reuniões de tais grandes multidões. Eles persuadiram o Promotor Imperial, M. Dutour, a proibir oficialmente Bernadette de retornar à Gruta. Bernadette respondeu que não podia dar sua palavra de abster-se de ir à Gruta porque havia prometido à Virgem que o faria. Dutour a dispensou e discutiu o assunto com duas autoridades locais: M. Jacomet, o chefe de polícia; e M. Estrade, que se tornaria amigo de Bernadette e Dutour, e que também prestaria um serviço inestimável ao ouvir as futuras conversas e escrupulosamente registrá-las palavra por palavra.

 

    Estrade gravou uma conversa entre o delegado e Bernadette. Durante essa reunião, M. Jacomet tentou deliberadamente confundir Bernadette para mudar seu relato das aparições. Quando essa tentativa falhou, o chefe de polícia liberou Bernadette sob a custódia de seu pai, avisando-a para levá-la para casa e garantir que não haveria mais distúrbios. Mas o chamado interior que a impelia era mais forte do que qualquer impulso terreno.

 

 

 

    Na segunda-feira, 22 de fevereiro de 1858, Bernadette voltou à Gruta depois da escola. Dois policiais a viram e a seguiram, assim como a multidão de sempre. A polícia ficou em atenção respeitosa enquanto ela se ajoelhava em seu lugar habitual. Mas quando ela se levantou, eles se adiantaram e perguntaram se ela ainda insistia em ter visto uma Bela Dama. "Não, desta vez não vi absolutamente nada", respondeu ela. Ela foi autorizada a ir para casa, mas foi insultada e ameaçada. 

 

 

 

Sétima Aparição - Terça-feira, 23 de fevereiro de 1858:

 

   Cerca de duzentas pessoas estiveram presentes nesta aparição. Quando a aparência de Bernadette foi novamente transformada, os homens presentes tiraram seus chapéus e caíram de joelhos. Bernadette parecia ser obediente, depois alegre, e de vez em quando ela se curvava. No final da visão, que durou uma hora, Bernadette foi de joelhos até a roseira e beijou o chão. Quando questionada sobre o que a Virgem disse, Bernadette respondeu que havia confiado a ela três segredos, que ela nunca revelou.

Oitava Aparição - Quarta-feira, 24 de fevereiro de 1858:

 

 

 

Durante a oitava aparição, Bernadette voltou e enfrentou a multidão de mais de quatrocentas pessoas e repetiu três vezes: "arrependimento, arrependimento, arrependimento!"

 

 

 

Nona Aparição - Quinta-feira, 25 de fevereiro de 1858:

 

 

 

   Durante esta aparição, a Virgem Maria disse a Bernadette para "beber do poço e banhar-se nele". Bernadette ficou perplexa; nunca houve um poço em Massabieille, ou qualquer tipo de nascente natural. Ela começou a arranhar o cascalho no chão ao seu redor. Ao fazer isso, ela notou que o chão abaixo dela estava molhado e uma pequena poça estava se formando e bolhas estavam surgindo dela. Ele juntou as mãos e bebeu, depois lavou o rosto. No dia seguinte, a piscina estava transbordando e a água pingava sobre a rocha. No dia seguinte, o ponto de água havia se tornado um verdadeiro riacho. 

 

 

 

Décima Aparição - Sábado, 27 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    Nesta ocasião, a Virgem Maria disse a Bernadette para "beijar o chão em nome dos pecadores". Ela imediatamente o fez, e a multidão seguiu o exemplo.

 

 

 

Décima Primeira Aparição - Domingo, 28 de fevereiro de 1858:

 

 

 

    Havia cerca de dois mil espectadores na gruta naquela manhã. A Virgem Maria pediu a Bernadette que dissesse ao clero para construir uma capela no local da Gruta.

 

 

 

Décima segunda aparição - segunda-feira, 1º de março de 1858:

 

 

 

    Durante esta aparição, a Virgem comentou com Bernadette que ela não estava usando seu próprio Rosário, o que foi uma afirmação precisa. Bernadette foi convidada por Pauline Sans a usar seu Rosário na Gruta quando ela rezasse naquele dia.

 

 

 

Décima terceira aparição - terça-feira, 2 de março de 1858:

 

 

 

    Bernadette chegou à gruta de manhã cedo, rezou na presença da Virgem Maria, que permaneceu em silêncio, exceto por uma oração.

 

 

 

A Décima Quarta Aparição - Quarta-feira, 3 de março de 1858:

 

 

 

    Durante esta aparição, a Virgem Maria repetiu que queria uma capela construída pelo clero e, além disso, que as pessoas viessem a esta capela em forma de procissão. Bernadette tinha muito medo do pároco, abade Peyramale. Foi difícil para ele procurá-lo pela primeira vez para construir uma capela, mas foi preciso muita coragem para procurá-lo pela segunda vez e contar-lhe sobre as procissões. 

 

 

 

Décima quinta aparição - quinta-feira, 4 de março de 1858:

 

 

 

    A essa altura, quase todos na França sabiam que 4 de março era o último dos quinze dias em que Bernadette havia prometido a Nossa Senhora que ela estaria presente na Gruta. Vinte mil pessoas estavam presentes naquele dia, incluindo toda uma guarnição militar fardada. Quando Bernadette se aproximou da aparição, um caminho foi aberto para ela, e os soldados que a acompanhavam o fizeram respeitosamente. Após a aparição, Bernadette disse à multidão que continuaria a vir à Gruta porque a Bela Senhora não havia dito nada em forma de despedida.

 

A multidão ficou desapontada. Eles tinham visto Bernadette transfigurada com um brilho estranho, mas esperavam que ela também compartilhasse sua visão, ouvisse a mesma voz que ela, e esperavam que, pelo menos, a roseira explodisse em uma flor repentina e milagrosa.

 

 

 

Décima sexta aparição - quinta-feira, 25 de março de 1858:

 

 

 

    Durante a décima sexta aparição, que aconteceu na festa da Anunciação, Nossa Senhora revelou sua identidade a Bernadette:

 

 Eu sou a Imaculada Conceição. Bernadette não tinha certeza do que o nome significava, mas as pessoas que não precisavam de explicação afluíam a Lourdes em maior número do que nunca. O barão Massy, um funcionário local, ordenou que Bernadette fosse examinada por mais três médicos. Eles a acharam fisicamente e mentalmente saudável porque só ela viu a Virgem Maria e só se comunicou com ela.

 

 

 

Décima Sétima Aparição - Quarta-feira, 7 de abril de 1858:

 

 

 

    Bernadette nunca foi capaz de trazer uma vela acesa para a Gruta desde que foi instruída a fazê-lo pela Virgem Maria. Durante esta aparição, ela inconscientemente colocou uma de suas mãos sobre a chama da vela. As pessoas viram a chama queimando entre seus dedos. Bernadette nem ouviu os gritos de horror que se ergueram da multidão. Ela continuou a orar por pelo menos quinze minutos enquanto a chama queimava em sua mão. Ela emergiu pacificamente da oração, ilesa. Então o Dr. Dozous pegou outra vela e sem avisar tocou a chama em sua mão. Bernadette imediatamente gritou de dor. Pouco depois desta aparição, o Prefeito resolveu fazer justiça com as próprias mãos e mandou fechar a gruta e desmontar o rústico santuário.

 

 

 

Décima Oitava Aparição - Sexta-feira, 16 de julho de 1858:

 

 

 

    Bernadette parecia aliviada por estar se tornando cada vez menos uma figura pública. Vários meses se passaram e, depois de receber a comunhão na festa de Nossa Senhora do Carmo, Bernadette sentiu um desejo irresistível de voltar à Gruta. Como a barricada ainda estava no lugar, ela e sua tia não podiam chegar tão perto do local sagrado quanto queriam, então se ajoelharam na grama.

 

Bernadette recebeu a última visita de Nossa Senhora e disse: "Ela nunca esteve tão gloriosa" .

 

 

 

Bernadette após as aparições da Virgem Maria

 

 

    Bernadette ingressou na ordem das Irmãs da Caridade. Ao longo de sua vida ela permaneceu doente, mas pacientemente desempenhou suas funções de enfermeira. Ela teve uma morte santa em 16 de abril de 1879. Ela tinha 34 anos. Bernadette foi enterrada no terreno do convento em Nevers, na França. Seu corpo foi exumado trinta anos depois, em 22 de setembro de 1909, na presença de dois médicos, vários oficiais designados e freiras do convento local.

 

  Quando o caixão de Bernadette foi aberto, não havia cheiro e seu corpo estava completamente intocado pelas leis da natureza.

 

Uma segunda exumação ocorreu em 3 de abril de 1919. O corpo foi então encontrado no mesmo estado de conservação de dez anos antes, exceto que o rosto estava ligeiramente descolorido, devido à lavagem que havia sofrido na época da primeira exumação. . Um ceramista foi encarregado de cobrir o rosto do santo morto há quarenta anos. A relíquia sagrada (o corpo de Bernadette) foi colocada em um caixão de ouro e vidro e pode ser vista até hoje na Capela de Santa Bernadette na casa mãe em Nevers, na França.

 

Lourdes como santuário e lugar milagroso

 

  Hoje, uma basílica neobizantina com três níveis foi construída em torno da gruta. Subterrânea é outra basílica, que pode acomodar 7.000 pessoas e tem uma rampa para cadeiras de rodas. Os banhos são pequenas cabines cheias de água gelada da nascente, nas quais os enfermos, alguns em estado terminal, mergulham na esperança de cura. Dois hospitais, que atendem, mas não tratam, fazem parte do complexo.

 

Dos 3 milhões de pessoas que vêm a Lourdes todos os anos, 500.000 são doentes que esperam uma cura milagrosa. Dados recentes d

  • Por: R$ 34,90
    Comprar

    Vela Ritual Justiça

    Vela Ritual Justiça. Seja para prometer, pedir algo, desejar... Enfim... O importante é concentração ao fazer o seu pedido. A fé é o sentimento que move em busca da realização dos seus desejos. E o seu desejo pode se realizar. Confira!

  • Por: R$ 34,90
    Comprar

    Vela Ritual Mau Olhado

    Vela Ritual Mau Olhado. Afaste a energia negativa, e todo mau olhado. Concentre seu pensamento, tenha fé no seu desejo, e certamente ele irá se realizar. Confira!