0
Meu carrinho
Carrinho Vazio
15/10/2022

O que é Gnosticismo

 

 

O gnosticismo é uma doutrina composta por elementos de religiões de mistério, muito populares na Índia, Babilônia e Pérsia, mitos da filosofia grega, mas também associados a algumas ideias cristãs inspiradas no Evangelho de João. A ideia comum do gnosticismo é o dualismo entre o ser divino original, inacessível, e uma série de emanações malignas que atingem o mundo, na matéria. Em outras palavras, podemos dizer que o Gnosticismo pode ser considerado um movimento religioso de cunho esotérico.

 

O sistema de Valentin (160 dH), cristão de Alexandria, que expôs seus ensinamentos em Roma ao mesmo tempo que Marcião, entre 135-160 dH, está centrado na ideia de pleroma. O mundo espiritual puro (pleroma) é composto de uma unidade de emanações divinas originárias de Deus-Pai.

 

O que é Gnosticismo na Bíblia?

 

A criação seria idêntica à queda no pecado, e o mundo material, essencialmente maligno, como os espíritos humanos, foi moldado por um demiurgo. O Verbo (Cristo, o Logos) não é o mesmo que Deus-Criador, mas uma emanação espiritual, que passou por Maria como a água por um cano, não morreu fisicamente e não ressuscitou. A salvação seria um ato de conhecimento revelado, necessário para retornar à harmonia do pleroma. Existe uma desigualdade inerente entre as pessoas, pois somente os espirituais, gnósticos (não os físicos, nem os psíquicos) possuem esse conhecimento e, portanto, podem se salvar.


 

Orígenes, Clemente de Alexandria, Tertuliano, Hipólito, Epifânio, Efrém, o Sírio e Irineu de Lyon lutaram contra o gnosticismo. Dizem que a criação é boa, sendo obra de Deus. Entre os representantes do gnosticismo cristão estão: Simão de Samaria (Simão, o Mago), Nicolau (fundador da seita nicolaíta), Cerino (contemporâneo do apóstolo João), Menandro de Samaria, Saturnil de Antioquia, Basilides de Alexandria (ca. 125). ), Carpócrates (155-166), Cerdon, Marcião de Sinope, Pontus (nascido ca. 85), Bardesan de Edessa (n.154).

 

Doutrinas gnósticas

 

Deus é indiferente ao destino da humanidade e do universo, humanidade e matéria são impuras (não são o resultado da criação de um Deus amoroso e carinhoso, mas emanações sobre as quais Deus não tem controle direto). Os poderes que secretamente governam o universo são os arcanjos do mal, sobre os quais Deus não tem controle. Os humanos são maus em essência (com exceção daqueles poucos escolhidos, em quem a centelha divina ainda arde, aqueles predestinados a se reunir com o mundo divino). A salvação não é oferecida a todos, mas apenas a um número limitado de escolhidos. Os eleitos recebem conhecimento divino de Cristo (revelação é conhecimento divino puro e indiferente à apreciação do intelecto humano. A lógica e o bom senso representam o mal de qualquer maneira.


 

O Antigo Testamento seria mau, sendo produzido pelo deus maligno dos judeus. O ideal é a vida divina do espírito humano (que se realiza através do ascetismo extremo, da condenação do casamento, do desapego da animalidade do resto da humanidade). O Salvador traz a salvação com entendimento (revelação).

 

Platão usa a palavra parousia no sentido da presença da ideia no objeto e da transcendência do objeto na ideia. A teologia o usa no sentido da presença de Cristo no momento de seu retorno (amanata sine die). Enquanto esperavam a volta de Cristo, alguns crentes perderam a paciência e entraram no vagão do gnosticismo. O cristianismo considerava que o Senhor é para o corpo e o corpo é para o Senhor, enquanto o gnosticismo acreditava que a matéria sempre representa o mal, e o espírito sempre representa o bem. Estendendo esta idéia e aplicando-a à pessoa do Filho de Deus, os gnósticos viram uma distinção separativa entre Jesus e Cristo. Jesus teria sido um homem simples, enquanto Cristo teria representado uma emanação divina, que veio ao seu batismo no Jordão e que o deixou na sua crucificação. Como tal, é isso

a encarnação, assim como a ressurreição, pilares do cristianismo, são negadas.


A doutrina cristã sobre a pessoa do Filho de Deus afirma que Jesus Cristo é Deus, é uma pessoa divina, com duas naturezas inseparáveis: a natureza divina e a natureza humana. A natureza humana perfeita tornou possível sua crucificação e o ato de salvar pecadores. A natureza divina tornou possível sua ressurreição, exaltação e glorificação. Já a partir dos escritos do Novo Testamento,pode-se observar uma compreensão e aceitação diferente da mensagem cristã.

 

Entre os anos de 1945-1946, escavações arqueológicas revelam a rica biblioteca de Nag Hammadi, no Alto Egito, perto da antiga cenovia pahomiana Chenobo Kion. 13 papiros contém 40 obras desconhecidas até então, na língua copta, a maioria representando traduções de obras gregas escritas no século II dC.

 

A partir dessas obras (apócrifos do Novo Testamento e obras gnósticas puras) podemos reconstruir com segurança os principais conceitos do gnosticismo:

 

a). um dualismo acentuado entre a causa primeira sobrenatural e o mundo material destinado à morte;

 

b) a impossibilidade de perder a centelha divina de luz do ego do gnóstico, mesmo que sua alma esteja totalmente dobrada e derrotada pelo mal;

 

c) seguindo o caminho do conhecimento, o eu pode libertar-se das amarras da matéria e regressar ao reino da luz do verdadeiro Deus;

 

d) a queda e ascensão do gnóstico são revestidas de especulações mitológicas que, complementadas com elementos retirados da filosofia, da religião e da astrologia contemporânea, enfatizam seu caráter sincrético.


 

A apresentação dessas quatro grandes características não deve nos levar a acreditar que o Gnosticismo representa um sistema unitário e uniforme em toda a sua área de propagação e ao longo de sua existência. As suas raízes devem ser procuradas no Médio Oriente e no leste da bacia mediterrânica, e ao longo do tempo assume novas formas e aspectos, consoante os seus principais promotores ou pela sua adaptação a novas situações. Seu dualismo, por exemplo, vem do antigo Irã, e quando encontra o Antigo Testamento, o Deus criador é interpretado como um Demiurgo que não conhecia a luz. Outra área de origem deve ser buscada nas concepções astrológicas babilônicas; depois de Alexandre, o Grande, eles penetraram massivamente no mundo grego, a ideia de influências planetárias no destino humano agora é amplamente propagada.


 

Quem foi o fundador do Gnosticismo?

 

Marcião, o "pai" do gnosticismo

 

O principal expoente do gnosticismo cristão é Marcião. Nascido no início do século II, é provavelmente filho do bispo de Sinope, no Ponto. Devido a uma divergência de opinião sobre os escritos paulinos, o rico armador entra em conflito com as autoridades da comunidade local. Então, tanto o Papa como Policarpo de Esmirna o excluíram da comunhão eclesiástica. Por volta do ano 140 d.C. chega a Roma, onde entra em contato com a comunidade cristã, à qual ajuda com uma substancial contribuição financeira. Aqui ele conhece outro gnóstico, o sírio Cerdon.

 

Para Marcião, o Deus criador não é o Deus verdadeiro, nem o Pai de Jesus Cristo, mas apenas um Deus justo e severo que, ao impor a lei mosaica, impôs um jugo insuportável aos judeus. Suas idéias são rapidamente conhecidas pela comunidade daqui, razão pela qual depois de apenas um ano, contra sua vontade, ele também tem que se separar desta comunidade. A partir de agora, ele não está mais interessado em pertencer à comunidade cristã; ele começa a propagar suas idéias com grande zelo e em pouco tempo consegue ganhar muitos seguidores. O resultado é a formação de numerosas comunidades gnósticas (com seus próprios bispos e sacerdotes) ao lado das cristãs. Como sua liturgia é muito semelhante à das comunidades ortodoxas, muitos cristãos passam facilmente para o grupo marcionita.

 

A Igreja imediatamente percebe o perigo de Marcião, e escritores importantes, Justino, Tertuliano e outros, escrevem com toda a sua determinação contra ele e seus ensinamentos. Devido aos esclarecimentos doutrinários que aparecem e que demonstram a incompatibilidade dos ensinamentos marcionitas com a tradição apostólica, a força atrativa do gnosticismo marcionita diminui significativamente.


 

A doutrina marcionita exclui todo o Antigo Testamento, porque aqui fala o Deus da justiça (juízo), o criador do universo, o demiurgo, que é alheio à bondade e à caridade. O bom Deus só se revela quando envia Cristo como Salvador, que traz o Evangelho do amor divino. Paulo é o único apóstolo que recebeu este Evangelho, presente em suas epístolas e no Evangelho de Lucas. Mas mesmo esses escritos foram alterados pela introdução da justiça e do legalismo do Antigo Testamento; esses dois aspectos, diz Marcião, devem ser removidos dos escritos paulinos e do evangelho lucano. Para esta Escritura purificada, Marcião escreve um comentário, preservado em alguns fragmentos, Antitheseis, do qual emerge com toda clareza o contraste entre o Antigo e o Novo Testamento.

 

Não só o dualismo presente na dança levou os escritores cristãos a se posicionarem contra ela, mas também o docetismo bastante acentuado. Marcião não pode aceitar o fato de que o Salvador encarnou no corpo humano impuro; isso significaria que a Dança estaria sob o controle do demiurgo. Incapaz de ter um verdadeiro corpo humano, Cristo não pôde sofrer na cruz; portanto, seu sacrifício no Calvário é apenas aparente, e a salvação dos cristãos também é aparente.

 

Essas conclusões, consequências drásticas e assustadoras para os cristãos, são tiradas pelos discípulos de Marcião, que tentam corrigi-lo, o que comprova a fragilidade das teses de Marcião diante da posição doutrinária da Igreja. Suas ideias sobre a impureza e decomposição do corpo humano o levam então a condenar o casamento, considerado pecaminoso justamente por causa da grave deterioração do corpo humano. As especulações gnósticas sobre as emanações do pleroma, a crença no destino imposto pelos astros, as cosmogonias, a divisão dos cristãos em médiuns e pneumáticos são estranhas a Marcião. O sucesso dos marcionitas deve-se à personalidade do fundador, à seriedade das exigências ascéticas impostas, bem como à liturgia muito semelhante à da grande Igreja.

 

Nenhum dos gnósticos determinou tão agudamente a Igreja a examinar sua própria posição em relação à Escritura e à norma de fé (uma importante contribuição é feita por Irineu de Lyon), a rever suas formas de organização e a se unir com todas as energias para para combater uma heresia tão perigosa.