0
Meu carrinho
Carrinho Vazio
12/04/2023

O terceiro olho existe, mas nem todo mundo vê com ele


 

Existem muitas teorias que nos falam sobre o terceiro olho.

 

Esse olho é real ou não? Qual é a verdade científica?

 

Existem várias hipóteses que sugerem como o terceiro olho pode ser aberto e usado.

 

Quem nunca ouviu falar do terceiro olho? Diz-se que está localizado no centro da testa e é um olho oculto, com o qual vemos e não vemos. Mas até que ponto essa afirmação é verdadeira? Esse terceiro olho realmente existe e, se sim, como alguém pode ver com ele?

 

Uma série de estudos sobre a glândula pineal, anteriormente conhecida como o "receptáculo da alma", foi concluída há cerca de dez anos. As respostas deixaram em aberto uma série de perguntas que poderiam lançar uma nova e surpreendente luz sobre nossas habilidades latentes.


 

Enquanto você lê estas linhas, sua retina está fazendo uma coisa maravilhosa: graças a certas proteínas que estão nela, ela consegue traduzir a luz que entra no olho em sinais elétricos, ou seja, em algum tipo de impulso nervoso.

 

Esses impulsos são transmitidos do olho para a parte posterior do cérebro , uma área conhecida como córtex visual. Lá eles são analisados e processados até formar as palavras que você está lendo agora ou a imagem que você está vendo.


 

O terceiro olho

 

Mas só os olhos podem absorver a luz e nos permitir finalmente ver a imagem? Pesquisas nas últimas décadas descobriram outro minúsculo órgão em nosso cérebro que contém proteínas absorvedoras de luz como as da retina. Este órgão é chamado de glândula pineal. Ele está localizado no centro do cérebro e, logicamente, a luz não deveria alcançá-lo.

 

Na segunda metade do século XX, vários pesquisadores se esforçaram para entender melhor a atividade e o desenvolvimento da glândula pineal. Eles aprenderam muito, principalmente sobre seu papel central no controle do nosso relógio biológico interno. Mas desde 2000, a pesquisa nessa área diminuiu significativamente, deixando questões interessantes sem solução.

 

Em 1992, o Dr. David Stuart, do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano dos EUA, e o professor Michael Freeman, da Universidade da Alemanha, queriam descobrir se a glândula pineal humana poderia ter alguma capacidade de absorver luz. Para testar essa possibilidade, eles queriam determinar quais proteínas são ativas nele. Eles estavam interessados principalmente em uma série de proteínas que antes só eram conhecidas das células fotorreceptoras da nossa retina.


 

Um exame minucioso ao microscópio e com a ajuda de anticorpos, que ajudaram a identificar com precisão as proteínas, mostrou que as mesmas proteínas também ocorrem na glândula pineal. Por muitos anos pensou-se que proteínas como a rodopsina ou o antígeno S, essenciais para o processo de absorção da luz, eram ativas apenas na retina, mas os cientistas foram capazes de detectá-las na glândula pineal em um nível relativamente baixo e apenas em um pequeno número de células.

 

O que essas proteínas fotorreceptoras estão fazendo lá no centro do cérebro? Isso significa que as glândulas pineais de alguns de nós podem ser sensíveis à luz, isto é, capazes de detectar de alguma forma os fótons (partículas de luz) que entraram nelas?

 

Surpreendentemente, nas glândulas pineais masculinas, eles encontraram menos células contendo essas proteínas, o que significa que os homens são menos sensíveis à luz.

 

A Glândula Pineal

 

Há um interessante ponto brilhante na testa de uma espécie de lagarto encontrada principalmente nas partes ocidentais da América do Norte. Ele está localizado em um orifício estreito entre os ossos do crânio e, logo abaixo dele, está a glândula pineal do lagarto, mas não apenas a glândula. Embora esta seja uma área dentro do crânio e até coberta por uma fina camada de pele, os cientistas descobriram que na verdade é um pequeno olho contendo a retina, o cristalino e a córnea, o que significa que sua estrutura é muito semelhante à de um olho normal. É, portanto, chamado de "olho pineal" ou "terceiro olho".

 

Embora a acuidade visual desse olho seja limitada em comparação com os olhos normais do lagarto e esse olho não seja capaz de focar, ele funciona exatamente como a glândula pineal do lagarto, localizada na parte mais interna do olho pineal do lagarto.


 

Devido ao buraco entre os ossos do crânio, atrás do qual se esconde, a pouca luz que consegue passar pela fina camada de pele da testa penetra na glândula pineal, para que a glândula pineal possa "distinguir-se" com ela dia e noite. Assim, a glândula pode desempenhar seu papel na regulação do relógio biológico e pode, por exemplo, avisar as células e órgãos do corpo do lagarto quando é hora de dormir.

 

Como a glândula pineal regula o relógio biológico nos lagartos e nos humanos? À noite, quando a glândula pineal deveria dizer ao corpo que é noite, ela produz e libera o hormônio melatonina, também conhecido como "hormônio da escuridão", no sangue. Quanto mais hormônio de ferro é secretado, mais dormimos.

 

A glândula pineal do lagarto ocidental foi descoberta há mais de 100 anos.


 

Olhos semelhantes foram encontrados em vários sapos, enguias, atum e muito mais. Acontece que outras espécies, como peixes, pássaros e répteis, têm uma glândula pineal no fundo do cérebro que exibe alguma capacidade de absorver luz. Em muitos deles, as células da glândula pineal incluem células sensíveis à luz, semelhantes em estrutura e função às células sensíveis à luz da retina.

 

No entanto, nos mamíferos a situação é bem diferente. Embora as glândulas pineais em mamíferos tivessem a capacidade de absorver luz no passado, essa capacidade se deteriorou ao longo dos anos. A glândula não absorve a luz diretamente com a ajuda de células sensíveis à luz, mas recebe informações sobre a luz e a escuridão fora de nossos olhos normais, por meio das células nervosas que as conectam aos olhos. Então, o que as mesmas proteínas absorvedoras de luz estão fazendo nas células da glândula pineal de mamíferos?

 

Começando em meados da década de 1960, vários estudos sugeriram que essa sabedoria convencional não era totalmente precisa. Pelo menos em ratos e camundongos de laboratório, essa possível sensibilidade à luz depende muito da idade.

 

Em 1969, o professor Carlos Machado, queria testar se a glândula pineal poderia continuar a desempenhar seu papel mesmo que não recebesse as informações necessárias das células nervosas vindas do olho. Ele amputou células nervosas em ratos jovens de duas a três semanas de idade e em adultos. E também em ratos sexualmente maduros de seis semanas de idade para obter algumas proporções.


 

O professor Machado constatou que, após a amputação, os animais jovens se comportaram muito melhor, seu relógio biológico continuou funcionando corretamente. Por outro lado, em ratos adultos, o relógio biológico falhou completamente a partir do momento em que a glândula pineal faltou aos dados que deveriam vir dos olhos.

 

A molécula da alma

 

Nos últimos anos, outro papel da glândula ficou claro: a produção de DMT, uma substância que foi chamada de "molécula da alma" e é usada em drogas psicodélicas. Foi sintetizado pela primeira vez na medicina ocidental em 1931, mas parece ter sido conhecido por muitas tribos indígenas da América do Sul. Os ameríndios diziam que essa substância abre o terceiro olho e as pessoas podem ver além da realidade.

 

O professor Rick Strass, em Novo México, realizou um estudo sobre essa droga psicodélica e concluiu que a glândula pineal a produz naturalmente, mas não rotineiramente, mas apenas em casos especiais e incomuns, por exemplo, durante o nascimento, ela é liberada no cérebro de uma criança, durante experiências místicas, em situações limítrofes, possivelmente até no momento da morte, justamente quando a alma, segundo Strass, está prestes a deixar o corpo.


 

Mesmo em culturas passadas, a glândula pineal era frequentemente mencionada. Na Grécia antiga , Platão a mencionou em seu livro República , escrevendo:

 

"A alma tem um órgão purificado e iluminado, digno de dez mil olhos, porque somente através dele a verdade se torna visível."

 

No século XVII, René Descartes via a glândula pineal como a sede da mente – o lugar onde nossos pensamentos são formados e por meio do qual a mente consegue influenciar o corpo físico. E se remontarmos ainda mais, por exemplo, à tradição hindu, a glândula pineal era considerada um centro de energia que abre uma janela para nossa vida espiritual.

 

A conclusão só pode ser uma, o terceiro olho existe, mas nem todo mundo vê com ele.

 

  • Por: R$ 29,90
    Comprar

    Chaveiro de Pedra Olho de Tigre

    O Chaveiro com pedra olho de Tigre traz boa sorte e proteção contra mau-olhado. Também promove lucidez, discernimento, coragem, sorte, proteção e acuidade mental. Confira na loja!